Intervenções

Governo escolhe o caminho da degradação do SNS

A direita sai descansada com o Orçamento do PS: não há medidas para reforçar o SNS.

PS chumbou todas as propostas de proteção de rendimentos

PS chumbou todas as propostas de proteção de rendimentos

"Anúncios enchem telejornais mas não resolvem os problemas do SNS"

As propostas do Bloco colocam na lei o que a ministra promete mas não coloca no Orçamento.

"O que o governo diz à administração pública é que 2022 será um ano de perda de rendimentos"

O Bloco propõe que a administração pública tenha um aumento intercalar que proteja os salários da inflação, que haja uma atualização do subsídio de alimentação (congelado desde o período da troika) para 6% e acabar com o cortes nos dias de férias.

"Governo impõe ao país uma política de empobrecimento"

O governo fez uma escolha clara: não controlar os preços, não tocar nos lucros excessivos das grandes empresas de energia e distribuição ao mesmo tempo que não atualiza salários nem pensões.

Maioria absoluta do PS abandonou a maioria do povo

A inflação permite um aumento brutal da receita fiscal, mas o governo decidiu não usar essa receita para apoiar quem trabalha e vê o seu salário comido pela inflação, nem mesmo para responder aos enormes problemas dos serviços públicos essenciais.

Orçamento representa um empobrecimento permanente do país

A maioria absoluta do Partido Socialista quer impor ao país o que em 2013 se provou ser um desastre.

Argumentos do ministro das Finanças pertencem à direita

Ministro das Finanças permite um corte salarial de mais de 3% aos funcionários públicos alegando prudência e centralidade da dívida pública, mas estes argumentos já os ouvimos antes da direita.

Orçamento representa quebra real nos salários

No primeiro orçamento da maioria absoluta, o governo garante quebra real de salários e pensões.